Select Page

A Itália é aqui!

A Itália é aqui!
Fabio Steinberg é jornalista e consultor em comunicação empresarial. Edita o site Turismo Sem Censura e é autor dos livros “Ficções Reais”, “Viagem de Negócios” e “O Maestro”

No Brasil, e principalmente em São Paulo, não é necessário pegar avião para ir a Itália. O país está presente aqui mesmo, no território nacional e dentro de cada um de nós. O nosso comportamento, linguajar e gesticulação, gastronomia, edificações, esportes ou em qualquer outra manifestação evidenciam: nós, brasileiros, somos todos também italianos. Com uma vantagem: aqui se fala o português, e por isto não precisa de tradução ou “legendas” para entender italiano.

Qual o prato mais popular do Brasil? Feijoada ou churrasco? Ou quem sabe um destes estrangeiros tropicalizados tipo estrogonofe, maionese ou mesmo hambúrguer? Sim, seriam todos ótimos candidatos. Só que não contam com unanimidade. Já a pizza não deixa dúvidas. De norte a sul, de leste a oeste, o prato se consolidou como preferência nacional.

A pizza, versão local, ganhou formatos e recheios para todos os gostos – dos tradicionais aos mais criativos. Há os ótimos, alguns mais exóticos, e outros, digamos, se classificariam na categoria de bizarros. Outra coisa: no Brasil, a palavra pizza sobreviveu com sua autenticidade pátria intocada. Ela escrita com os mesmos dois “z”, e falada igualzinho como na Itália. Ninguém aqui pronuncia “pizzzzza” com “z”.

São Paulo lembra uma Roma brasileira. Não no sentido nostálgico dos imigrantes, mas pela sua própria vibração. Afinal, tanto na cidade como por todo o Estado vivem um terço dos imigrantes e seus descendentes. Não faltam nomes ilustres que brilham em qualquer atividade.

Nem é preciso ir a bairros como Bixiga ou Mooca para sentir a presença consistente da Itália. Ela está em todos os bairros e cidades. É uma pena que o turismo de São Paulo não promova um roteiro gastronômico para o visitante conhecer as nossas inúmeras “Pequenas Itálias”, distribuída tanto pela cidade como no interior. A gastronomia então… Ela se revela através de inumeráveis excelentes restaurantes – dos populares aos mais sofisticados.

A integração deste povo único se encaixou como luva ao jeito do brasileiro. Fica até difícil distinguir onde começa um e termina o outro. O italiano, com seu espírito alegre, emotivo, e com empatia cativante conseguiu se transformar instantaneamente em brasileiro.

Não há quem more em São Paulo sem ter um amigo, parente, ou colega de origem italiana. Bastam quinze minutos de conversa com um legítimo descendente para ele se tornar o mais novo amigo de infância.

Esta miscigenação faz a diferença para humanizar São Paulo. É uma cidade fantástica, mas vítima do gigantismo que tende a despersonalizar os relacionamentos. Quanto a mim, já fiz a minha parte. Além de amigos italianos queridos, há mais de vinte anos escolhi Fátima Turci, legítima representante do que o país latino tem de melhor, para se tornar minha mulher.

Deixe resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *